Com dois tempos distintos, antes e depois de dia 16, em Setembro desenha-se, na segunda metade, a nova arquitectura de forças que se desenvolvem e confrontam já a partir de 2012 e até 2015. Atenção aos movimentos sociais colectivos e aos impactos da Natureza.

O mês de Setembro começa, de facto, dia 29 de Agosto, com uma Lua Nova a 5 graus de Virgem, trígona a Plutão em Capricórnio e a Júpiter em Touro.

Lua Nova: Preparar as mudanças

Esta Lua Nova dá o mote que orienta o desenrolar dos eventos durante a maior parte de Setembro: Com detalhe, preparar transformações estruturais que potenciem expansão. É com sentido crítico que avaliamos como avançar metódicamente para as mudanças nas organizações de poder, colectivo ou individual que, a partir de 16 de Setembro, com a entrada de Plutão directo, podem ser postas em marcha, depois de estarem em fase de re-avaliação desde 10 de Abril.

Logo a seguir a esta Lua Nova, no último dia de Agosto, outro evento astrológico marca o palco dos acontecimentos: Jupiter entra retrógrado a 10 graus de Touro e assim fica até 27 de Dezembro, limitando a expansão financeira, material e as conquistas de riqueza. Jupiter retrógrado em Touro só nos dá aquilo que pouparmos ou aquilo que conseguirmos transformar. Não há ganhos galopantes nem inesperados.

E assim começa Setembro, com planos minuciosos de reorganização pessoal e do colectivo com o objectivo de transformar as circunstâncias condicionantes já que a expansão só é possível através de cuidadosas mas profundas alterações do que até agora tem sido.

A constante nas tensões sociais e na diluição de barreiras

Duas outras constantes condicionam Setembro: Urano e Neptuno retrógrados, o primeiro em Carneiro entre os graus 3 e 2, o segundo em Aquário entre os 29 e os 28 graus. Urano em Carneiro, estimula o fogo social, ideias e actos inesperados, inéditos, inovadores, com origem numa só pessoa ou através de actividadades de grupo mas traz sempre impacto no colectivo.
Neptuno em Aquário dissolve as barreiras sociais, ilude-nos com fantasias sobre o mundo e estimula idealismos, para o bem e para o mal. Neptuno está nos últimos graus de Aquário onde se encontra desde o principio da massificação do uso da internet sendo as consequências dessa prática exactamente o efeito de Neptuno, diluindo fronteiras pessoais e colectivas.
Estas duas constantes acrescentam, por isso, ao mês de Setembro a possibilidade de grandes tensões sociais e uma multiplicidade extraordinária na oferta de ideais a seguir.

A exigência do equilíbrio nas relações: outra constante

A acção de Saturno, entre os 15 e 18 graus de Balança será outra das constantes de Setembro. Este planeta, a atravessar este signo regido por Vénus, exige relações justas, equilibradas, estéticas, seja no plano político nacional ou internacional, como no plano das relações financeiras como nos nossos relacionamentos pessoais.
O que damos e o que recebemos tem de ser representativo das nossas necessidades individuais e do que considerarmos ser a justiça social. Identificamos as nossas forças e fraquezas, reconhecemos as do parceiro e Saturno exige que seja feito o equilibrio entre esses dois vectores.
A Lua Cheia de 12 de Setembro em Peixes, em quadratura ao Nódulo Lunar e naturalmente oposta ao Sol é prenúncio do movimento para a transformação do status quo, já que enfatiza os conflitos entre os ideais e o sistema,, entre as expectativas familiares ou normas culturais em vigor e o desejo individual ou das forças colectivas para ir mais longe.

Plutão directo dia 16: mudanças nos poderes

Dentro de estes condicionamentos constantes em Setembro, gerados por Jupiter Ret. Touro (expansão limitada) Saturno em Balança (busca de equilibrio nas relações) , Urano Ret em Carneiro ( fermentação da liberdade colectiva) e Neptuno Ret em Aquário (dissolução das estruturas globais), o mês divide-se em duas partes distintas: A primeira, até dia 16 de Setembro e a segunda a partir desse dia 16 em que Plutão entra directo, a 4 graus de Capricónio.

Quais são as implicações desta variação no movimento de Plutão? As consequências medem-se tanto no plano pessoal como no plano colectivo e implicam que, a partir de dia 17, é possível retomar o processo de transformação estrutural profunda que desde 2008 e até 2022 levará a susbsituição das velhas ordens de poder, político, financeiro, social, familiar, por novas estruturas, organizações e divisões de poder tanto na sociedade como nas relações pessoais.

Por isso, as transformações estruturais programadas e que tinham ficado paradas desde 10 de Abril, data em que Plutão entrou retrogrado, vão, a partir de 16 de Setembro levar novo alento, até à Primavera de 2012, onde novamente Plutão entra retrogrado para nova fase de avaliação das transformações efectuadas e preparação para nova evolução seis meses depois.
Ou seja, depois de 16 de Setembro o caminho está aberto globalmente para novas mudanças políticas, reformas financeiras e burocráticas, substituições de chefias e em geral na gestão individual.

O quadro geral do quadrado de Saturno e Urano a Plutão: tensão, inovação, conflito e revolução

Em astrologia política, Saturno representa os poderes estabelecidos, as forças da ordem, os governos e chefias. Urano é o apelo de liberdade, criativa ou destrutiva, mas sempre explosiva, surpreendente, radical. Plutão é a destruição lenta e inexoravel, passional das estruturas obsoletas, a desintegração e transformação dos controles estabelecidos. Ciclicamente estes planetas cruzam-se, ao longo da história e nesse movimento encontramos correlações entre certos aspectos e acontecimentos históricos. Os aspectos mais tensos, conjunções, quadraturas e oposições estão naturalmente associados a eventos de maior tensão.

É preciso não esquecer que todo o mês de Setembro e em particular por volta de 16, Plutão e Urano estão já numa órbita de 2 graus da quadratura máxima que vão ter sete vezes entre 2012 e 2015, pontos de tensão extrema da tendência de ruptura da ordem estabelecida e que se começou a sentir globalmente e num crescendo desde 2008.
Até este Verão de 2011, Saturno esteve em oposição a Plutão controlando, tapando, retardando, tentando compor as rupturas dos sistemas. Em Agosto Saturno saíu dessa órbita de repressão da mudança e Urano aproxima-se de posições que representam o culminar de situações insuportáveis para a evolução colectiva.

Ideias e tecnologias associam-se a revoltas sociais nestes aspectos de Urano/ Plutão e isso é ilustrado, pelos exemplos, da última quadratura depois de uma conjunção ( como agora mas noutros signos), em 1886, 1887, quando Bell inventou o telefone , Edison a electricidade e ocorreram as primeiras greves gerais da História, nos caminhos de ferro dos Estados Unidos e se iniciou o movimento para a independência da Irlanda. A ùltima quadratura antes de uma conjunção ocorreu no século XX, nos príncipio dos anos 30, de grande perturbação financeira e social e que abriu caminho para o maior conflito de sempre. A conjunção dos anos 60 trouxe a revolução hippie, pílula etc, ouyrps exemplos de evolução de mentalidades, e impacto colectivo da criatividade e invenções.

Por isso é de esperar tecnologica e ideologicamente revoluções de projecção global e de ruptura com a ordem estabelecida, pontuadas, até 2015, pela sucessão de aspectos exactos de Urano a Plutão, em marcha a partir de meados de Setembro.

De 16 a 22: Crise em várias frentes

Na véspera do dia em que Plutão entra directo abrindo o caminho a revoluções a vários níveis dos poderes instaurados, Venus entra em Balança onde fica até 8 de Outubro alimentando a necessidade de fazermos alianças e encontrarmos soluçõs equilibradas, nesse quadro de mudança. A Vénus pede o equilibrio e a justica a partida e para isso impele Plutão directo a partir de dia 16.

Mas logo, a 17 Venus opõe-se a Urano e somos surpreendidos por acções contrárias à paz estabelecida, rupturas políticas e sociais, percas financeiras, libertação de velhos acordos e a necessidade de criativamente nos ajustarmos a uma nova ordem. Não será fácil já que dia 18 Venus faz um quadrado a Plutão, trazendo crises relacionais, financeiras e estruturais.

No dia seguinte, 18, Marte entra em Leão podendo dar um impulso dramático às acções sociais, ás dinâmicas de grupo e ás reformas do colectivo. É no ingresso nos signos que a acção de Marte é a mais notada do zodíaco. Marte rege as forças masculinas, militares, a agressão, a guerra e a vitalidade e a agitação pública. A atravessar o signo do Leão, até Novembro, Marte garante a intensificação da criatividade e pulsão sexual individualmente assim como colectivamente acções que provocam ou são por si mesmo agitadoras socialmente.
No dia 22 Marte faz um trígono a Urano e essa acção de libertação e impeto de reforma pode ser canalizado mais facilmente.

Até dia 23, o Sol está na constelação de Virgem, assim como Mercúrio. Comunicar minuciosamente aquilo que possa dar sentido à existência, individual ou colectiva é a força vital deste período. Depois de dia 23, o Sol em Balança revela as forças que se opõem e obriga à busca de soluções de compromisso em alianças e relações mais justas.

Fim do mês: agitam-se os céus, agita-se a Terra

A Lua nova, no dia 27, nos primeiros graus de Balança, sextil a Marte e oposta a Urano, quadrada a Plutão, abre o próximo ciclo lunar com uma tensão o crescente no sentido de profundas transformações no tecido global.

Esta Lua Nova traz associada um evento celeste raro. Espera-se para dia 26 a passagem vísivel da Terra do cometa Elenin, num percurso que o leva a cruzar a orbita terrestre em meados de Outubro. A distância de Elenin à Terra, quando estiver no ponto mais próximo na sua trajectória, é de 0,24 AU ou seja 1/4 da distância entre a Terra e o Sol. Pode ver neste site da NASA a projecção da sua trajectória: http://ssd.jpl.nasa.gov/sbdb.cgi?sstr=elenin;orb=1;cov=0;log=0;cad=0#orb

Com o possível impacto electro-magnético, vou desligar o computador e partir para o pacato Alentejo ver a chuva de estrelas da cauda do cometa!