Por Clara Days:
Palavras-chave: desapego; afirmação; renovação; ambição

É tempo de largar o que nos tem prendido e arriscar partir, para traçar novos rumos. Nesta semana de Lua Cheia em Sagitário e com o Solstício no dia 21, estamos inspirados para conseguir o desapego necessário para esta aventura pessoal, que nos pode levar até onde for possível.
O que é curioso, com este Arcano 7, é que partimos sem destino certo, mas com a certeza de que já não faz mais sentido ficar. Isso dá-nos ao mesmo tempo determinação e necessidade de protecção individual: magoados que fomos, antes, criamos agora uma armadura defensiva que nos pode esconder e isolar, enquanto comandamos o nosso Carro para encontrar rotas e destino.
O desapego é um sentimento que se atinge quando, após algum tempo a suportar frustrações ou constrangimentos, a taça transborda e isso nos impele a tomar uma decisão drástica. É como se a certeza de que já nada pode ser reparador, no lugar onde estamos, nos atinge como um raio que ilumina a noite.
Partimos, então, acreditando que o caminho se fará ao caminhar. Tomamos as rédeas do destino, por assim dizer. Os cavalos que nos puxam podem tentar desviar-nos, mas a força da nossa vontade impõe-se.
Esta é uma carta cuja designação se refere ao objecto – carro – e não ao condutor que o controla. Um carro é uma estrutura em movimento e o nosso trajecto um processo que se desenrola no tempo. Agarramos, ao longo do percurso, as oportunidades que surgem. No entanto, corremos o risco de perder as oportunidades de encontro com outros que pudessem ser nossa companhia.
O Tarot de Osho Zen chama-lhe “Consciência”, outros atribuem-lhe nomes como “Triunfo”, “Movimento” ou “Partida”.

Nas imagens das cartas, o condutor do Carro é apresentado frequentemente como guerreiro armado, uma figura real, e os animais que o puxam podem ir da dupla de cavalos mais verosímil a criaturas fantásticas ou mitológicas, frequentemente esfinges. A personagem pode aparecer desprotegida, armada ou mesmo ocultada por uma armadura que é uma carapaça total, vendo-se apenas o metal com forma humana. É frequente a presença de sinais de realeza ou poder, como coroa, ceptro ou escudo brasonado. Os animais, na maioria dos casos, representam duas possibilidades, duas versões, pois são diferentes na cor (preto e branco, mais frequentemente) e/ou na direcção do olhar, como se apontassem para rumos opostos, ou pelo menos divergentes. No entanto, não se sente tensão na condução do guerreiro: tem o rumo controlado pela vontade, não pela força física. O condutor domina o seu carro e decide o seu caminho. É frequente, sobretudo em versões mais recentes, o uso de símbolos de culturas e filosofias não europeias, como o círculo das energias yin e yang.
Esta carta de afirmação pessoal está astrologicamente associado a Caranguejo, onde o Sol vai ingressar nesta mesma semana. A letra hebraica que lhe corresponde é CHETH ou CHET, a dinâmica do partir e regressar. O número 7 é utilizado em diferentes culturas como um número especial, base de diversas simbologias: os sete chakras, os sete céus, as sete cores do arco-íris, os sete dias da semana… Título esotérico do arcano: “O Senhor do Triunfo da Luz”.

Esta semana, vamos poder viver momentos decisivos, no sentido do nosso avanço pessoal. Agarrar, ou não, esta oportunidade, é uma questão vontade e determinação. Vamos poder dizer “Basta!” e seguir em frente, sem sequer olhar para traz.
É como se a coragem nos possa ser instilada. Tentemos, no entanto, que as mágoas passadas não contaminem o nosso propósito e nos fechem aos outros que a vida nos traga. Com as defesas montadas, vivemos a afirmação pessoal em modo solitário, e pode ser pena…
Devemos estar abertos à mudança e atentos às oportunidades, para irmos fazendo as escolhas certas. O nosso rumo definirá, a seu tempo, uma meta, que iremos descortinar pelo caminho, mas as opções que tomarmos são os elementos determinantes.
Agarremos esta energia positiva para desapegar do que nos tem reprimido. Como diz o povo: “para a frente é que é o caminho”.
Um bom Solstício para todos vós.

Imagem : Tarot of the Sevenfold Mystery, de Robert M. Place (2012)

Clara Days