Não devemos resistir ao impulso e necessidade de transformação profunda das relações e da ordem das coisas em que estamos inseridos mas temos de o fazer com frontalidade e atenção aos detalhes dos assuntos pendentes. De facto, com Marte e Plutão em quadratura exacta desde ontem de Balança para Capricórnio, ambos regentes do Sol e Mercúrio retrógrado em trânsito em Escorpião, podemos sentir algum bloqueio na vontade de alterar os equilibrios das relações e o desejo de reagir violentamente já que estamos empenhados a fundo nas questões escorpiónicas que englobam a vontade de controlar todas as áreas do partilhado, desde o sexo   à morte, passando pelas heranças e empréstimos e poderes. No entanto, apesar dessa tensão interior entre o que queremos e podemos fazer temos de a resolver através de acções inteligentes mesmo que não tenhamos bons ecos ou provoquemos conflitos: Mercúrio retrogrado em Escorpião pede uma revisão da lógica de controlo de bens e situações partilhadas e o seu sextil a Júpiter em Sagitário é um apelo a irmos atrás da Verdade que sentimos ter de ser defendida, mesmo se a quadratura à Lua em Aquário traga dissabores ou fraca aprovação. O quincúncio de Vénus em Sagitário a Urano em Touro também revela tensões entre o empenho em ir mais longe e a necessidade de o fazer de forma inovadora, quebrando a trajectória expectável.  É por isso um dia complexo em que há que ser perseverante no esforço de mudar o que pode e deve ser mudado, mesmo que isso cause conflito, e há que procurar vias inovadoras para resolver problemas que se arrastam. Dentro de dias, quando o Sol estiver em sextil a Saturno, vamos começar a ver melhor como nos podemos organizar no futuro nessas questões que não dependem apenas de nós.