Por Clara Days 
Palavras-chave: conformidade; identificação; ideologia; moral.
O Hierofante era o grande sacerdote que presidia ao culto de Elêusis, na antiga Grécia. Na designação grega Hierophantes (em grego antigo εροφάντης) significa literalmente “aquele que explica as coisas sagradas”.
Até tempos muito recentes a tradição do Tarot europeu chamou-lhe o Papa, sumo-sacerdote dos católicos. Com a modernização das designações, procurou-se um sacerdote supremo que fosse mais abrangente e não referenciado a uma religião específica dos tempos actuais.
A sua figura hierática, com vestes rituais, em gesto de bênção, dá-lhe entre os Arcanos Maiores o lugar do guardião da ideologia e da moral, do grupo identitário de referência onde cada um se pode integrar, respeitando regras, princípios ou dogmas. Com o Hierofante somos convidados a agir em conformidade com os princípios do grupo, a respeitar o poder da ideologia, a agir dentro da moral vigente.
Numa perspectiva positiva, o Hierofante pede que procuremos um caminho de iluminação, estudando os credos e dogmas para os conhecer e não apenas os respeitar. Na acepção negativa, é a fé cega a que nos acomodamos, sem questionar nem aprofundar, mãe da intolerância pelos princípios de outros grupos. Esta dualidade de leituras tem tudo de actual, nestes tempos em que fenómenos de pertença religiosa estão a generalizar fanatismos agressivos que ameaçam os povos e contrariam a diversidade cultural.
Aceitemos então um Hierofante que procura o saber, que estuda, que enquadra a sua pertença numa postura tolerante. Ele procura a verdade e sabe que escolhe a sua ideologia sem precisar de pôr em causa a dos outros. O seu sentido de pertença está ligado à compreensão e ao respeito, mas também ao ritualismo. A sua influência energética dá-nos enquadramento e permite uma visão partilhada, reconfortante, do sentido da vida e da explicação das coisas, o poder do colectivo no amparo individual.
As representações gráficas giram em torno de figuras de hierarquia religiosa, variando apenas nas culturas ou religiões aludidas. Na maioria dos baralhos, a influência do aspecto visual do Papa católico predomina. O uso de manto, de bastão, de coroa ou chapéu ritual, o trono, investem-no de poder. Por vezes tem na mão uma chave, a dos segredos sagrados. A postura é de autoridade ou paternalismo. Alguns baralhos associam-no a palavras como Tradição, Fé ou Reverência. Junto a ele são frequentes as representações de outras personagens, os seus aparentes seguidores, visualmente secundários.
Astrologicamente, este arcano 5 está associado ao signo de Touro, de Terra, fixo, estável, ligado ao ter e à acumulação. A letra hebraica que lhe corresponde é VAV, o gancho que conecta os pilares da criação. O seu título esotérico: “O Mestre Triunfante”.
Esta semana tenderemos a oscilar entre o desejo de pertença, de nos entregarmos à tradição, e a vontade de compreender melhor, de entender a ideologia e não ser escravo dela. Seja como for, será uma semana em que a vontade colectiva vai estar em evidência nas nossas ideias ou decisões, enquanto o conforto do grupo nos reforça a identidade. Saibamos conservar sentido crítico, para que não nos deixemos manipular.

Clara Days
Imagem principal: The Cosmic Tarot, por Norbert Losche

Anúncios