Por Clara Days
Palavras-chave: Caminho; fé; inspiração; renovação.
A carta da Estrela tem vindo inspirar-nos regularmente, nos últimos meses, a trazer-nos um lampejo de esperança e uma luz para o caminho.Ela representa o princípio da renovação das categorias, um processo interior que nos permite reaprender a visão das coisas. Com a sua luz suave reactualiza as nossas crenças, faz “restart” na confiança que temos de que a nossa vida tem um propósito válido e de que a rota que escolhemos leva a bom porto.
Desde os tempos mais antigos que na escuridão da noite as estrelas mostram o rumo. Remetem-nos à nossa dimensão perante a imensidão da esfera celeste. A luz do Sol deixa-nos ver a terra, o lugar onde estamos e nos afirmamos, permitindo-nos agir com o que está perto. A luz da Lua influencia o nosso estado de espírito, a percepção do que somos, o questionamento interior. A luz das estrelas deixa-nos perceber o Universo, de que somos também uma partícula, inspirando-nos para ir mais longe.
A Estrela é uma luz-guia que trazemos dentro, uma confiança na vida e no progresso, um optimismo natural que nos empurra para a frente. Mas tudo isto se passa no plano subjectivo, espiritual. Para os crentes, a Estrela é a fé. Para os artistas, a inspiração. Para todos, a confiança.
Na ilustração das cartas, a Estrela é uma mulher. Apenas em algumas versões recentes, mais minimalistas ou despovoadas, ela surge apenas como o ser celeste, e mesmo aí, associada a elementos terrenos com carga simbólica, como a água. Mas voltemos à mulher. Se nos centrarmos nos baralhos mais detalhados, esta mulher está na noite, junto de água, despida ou quase. Olha para baixo, para a água ou para a terra, não para as estrelas que pairam no céu, onde uma é visualmente mais evidente. Tem nas mãos duas vasilhas e derrama o líquido que delas sai, uma na água, outra na terra. Aquilo que tem, partilha: alimenta o rio, fecunda a terra. Também costuma ter um pé na margem, uma rocha ou o chão verdejante, o outro na água. No cenário, com muita frequência, há uma ave, aparentemente uma garça ou flamingo, animal sagrado do Egipto antigo, também usada como um símbolo de Cristo.
Esta Estrela está associada astrologicamente ao signo de Aquário, também representado por uma mulher que despeja a vasilha de água, o signo do altruísmo. A letra hebraica que se lhe associa é HE ou HETH, a abertura, a janela. O título esotérico tem duas designações: “A Filha do Firmamento” ou “O Habitante entre as Águas”.
Para esta semana em que o Sol sai do fogoso Leão, seu domicílio, para entrar na Virgem concretizadora, das colheitas e dos detalhes, temos uma estrela dentro de nós. Podemos estar em paz connosco. Há uma vontade renovada de acreditar e confiar, que nos predispõe para o avanço e o sucesso. Não é ingenuidade, é inspiração. Sentir a presença duma luz que nos guia torna-nos mais serenos, mais fortes, mais resilientes. Sigamos o nosso caminho, ele é o caminho certo. Assim seja.

Clara Days
Imagem principal: A Estrela no Tarot de Raider-Waite

Anúncios