Por Clara Days:
Palavras-chave: Moderação; combinação; equilíbrio; conciliação.

Hoje, o Princípio da Integração dos Opostos inspira-nos para a semana que entra, pedindo que vivamos os contrastes e contradições como aspectos que se podem enriquecer entre si. A Temperança, ou Arte, corresponde ao princípio alquímico “solve et coagula” – dissolve e combina, ou separa e junta, numa tradução mais livre.
Digamos que “solve” é tudo que precisa de ser dissolvido, desagregado: é do âmbito do perdão e da misericórdia. São os preconceitos e saberes superficiais que devemos conseguir desconstruir. Já “coagula” é tudo o que precisa ser combinado, junto, fortalecido: é do âmbito do encorajamento e da focalização de objectivos. Pede abertura de espírito e uma visão abrangente, para reconstruir. Em síntese, trata-se de desfazer para renovar.
Numa perspectiva mais pessoal e individual, a Temperança lembra que a união dos opostos nos pode levar à plenitude do Ser. É a afirmação de um acordo harmonioso que deve ocorrer entre o consciente e o inconsciente. A Temperança fala sempre de uma harmonia construída. É a energia da transmutação.

Na representação visual das cartas, de acordo com a tradição mais antiga, a Temperança é uma mulher que suspende no ar duas vasilhas entre as quais um líquido se movimenta obliquamente, em desafio às leis da gravidade. A mulher veio a ser depois representada junto de um rio ou lago, com um pé na terra e o outro na água – está ao mesmo tempo na esfera do concreto e na do sensível. Por vezes não é mulher, é um anjo de asas abertas. Mas na acepção mais recente que liga a carta aos princípios alquímicos, sobretudo a partir do Livro de Thoth de Crowley (1944), a carta designa-se Arte e a representação traz-nos uma personagem de dupla face que verte substâncias diferentes num mesmo caldeirão, sobre o qual se debruça. As substância são opostas e geralmente água e fogo. A personagem costuma ser feminina e as duas caras representam a duplicidade da contradição que ali se junta, naquele caldeirão.
Esta carta está associada astrologicamentea a Sagitário, mutante de Fogo, signo de sabedoria e das grandes viagens. A letra hebraica que lhe corresponde é SAMECH ou SAMEKH, o ciclo interminável, o suporte. O número 14 é duas vezes 7, união de duas entidades puras que, juntando-se, atingem um patamar mais elevado de perfeição. O seu título esotérico: A Filha dos Reconciliadores, ou O Impulsionador da Vida.

Na semana da Temperança é preciso estar consciente de que há na nossa vida muita coisa para transmutar, para mudar de domínio, mas que precisa de diplomacia e moderação, para ser atingida. É possível sentir que as experiências anteriores serão consolidadas, como se tivéssemos colocado todos os ingredientes no nosso “caldeirão” interior para fermentar, ganhar consistência e agora partilhar.
O que há na nossa vida que precisa de se transformar? É tempo de tentarmos, sendo capazes de olhar para o que está sem preconceitos e aceitar o que pode ser com abertura e espírito conciliador. Sejamos flexíveis, saibamos adaptar-nos, ajustar-nos. Contradição pode ser complementaridade. Unir os opostos pode ser o caminho.

Imagem : Tarot Charles IV ou Gringonneur (1455)

Clara Days

Anúncios