A Lua Nova de Carneiro que é um apelo à acção, é hoje confrontada com  limites e força maiores que obrigam a uma revisão das intenções. De facto, com Sol e Lua em Carneiro e Marte seu regente em Gémeos, a vontade de disparar em várias direcções é imensa, movida por interesses múltiplos, pela capacidade de argumentação e pela multiplicidade de opções que queremos abordar. Mas a Lua faz hoje quadratura a Saturno e a Plutão em Capricórnio e somos forçados a ter em atenção restrições, responsabilidades e circunstâncias que não permitem a acção desejada e obrigam necessariamente a ajustamentos , com contrariedade. Ou seja, não podemos fazer o que nos apetece, como nos apetece  e o que temos mesmo de fazer é pôr fim a condições que não servem mais o nosso propósito de redefinir seguranças emocionais, domésticas ou nacionais. Isto porque para além das quadraturas aos planetas em Capricórnio, a Lua também faz quadratura aos Nódulos Lunares sendo que o Sul está conjunto a Plutão, numa exigência inultrapassável de eliminação de condições estagnadas ou toxicas em todas as áreas de vida. É como se quissemos mudar, fossemos bloqueados e tivéssemos não só de eliminar esses bloqueios como  também repensar a forma de exercício da vontade. Vénus, Neptuno e Mercúrio suavizam estes conflitos mas podem levar-nos a idealizar soluções. É um dia para tentar equilibrar pragmatismo e simpatias.