Estamos hoje na recta final de ciclo solar em que ser quem somos com bom ou mau feitio, com amor ou com orgulho, com dádiva ou egocentrismos se sobrepôs a todas as outras pulsões pessoais ou condicionou gestos e afectos. Com a saída do Sol de Leão e o seu ingresso em Virgem amanhã de manhã, quando faz imediatamente conjunção a Vénus e a Marte que o precederam nos últimos dias n entrada em Leão, o foco vai virar-se para o serviço, organização, utilidade, sentido crítico do que há a fazer no cuidado das coisas, dos outros e de nós próprios. Nesta passagem do Fogo para a Terra, do masculino para o feminino, o Sol cruza também a estrela Regulus completando a metamorfose iniciada por Marte e Vénus no seu contacto com o símbolo estelar de reis e rainhas, poder político e financeiro, eleições e assassinatos públicos, insurgências e massacres, os mercados e bolsas, a União Europeia e o Vaticano. Não será em todos mas certamente nalgumas destas áreas que entre hoje e nos próximos dias podemos esperar transformações na ordem das coisas, mais ainda porque o trânsito de Urano em Touro ao qual Marte, Vénus e o Sol vão fazer tríogono no espaço de uma semana, estimula um trabalho cuidado de transição para novos valores passíveis de vir a formatar uma nova ordem estrutural, hoje com mais um passo dado graças ao trígono da Lua em Touro a Saturno e Plutão em Capricórnio.

Nesta perspectiva, hoje, no limiar de um novo ciclo solar e com o Sol conjunto ao asteróide Juno que representa as relações, as parcerias amorosas ideais,  há que terminar de pôr o foco nesse poder conjunto para podermos a partir de amanhã dedicarmo-nos ao trabalho dessas mesmas relações e da relação que temos com nós próprios, mudar de paradigma e evoluir criando novas estruturas de relacionamento e funcionalidade, em casa e na política, mudam as vontades, mudam os poderes…