O objectivo cego é o ganhar em todas as frentes do desejo. O que queremos, queremos intensamente – até podia representar mudança –  mas há que verificar se é a melhor opção e se trabalhámos com afinco e sentido prático para alargar os horizontes de possibilidade e não desperdiçar energias.

O instinto leva-nos acima de tudo a querer controlar situações, finanças, poderes, estruturas de relação, conforme o que projectamos.  Algo acaba de se revelar depois da conjunção de Mercúrio a Plutão dos últimos dias e queremos dominar o processo de transformação custe o que custar. Isto, com a Lua em Escorpião até ao princípio da tarde quando passa para Sagitário e as emoções se abrem, em busca de uma verdade condutora, princípios a que nos agarrar que dêm maior segurança e sentido à vida. Mas a lição da semana é que há que abrir mão e que a segurança vem da aceitação de que não podemos controlar tudo. O Sol que avança para uma quadratura a Marte, Vénus que avança para uma conjunção a Plutão e Urano que espera pela quadratura de Vénus e da Lua até ao fim-de-semana são trânsitos que simbolizam bem que o desejo sem limites não compensa e que o que os tempos pedem é mudança de valores- para ganharmos noutras frentes e nos expandirmos sob novos planos, livre de onus e encargos do passado.

A tela é de Pablo Picasso

astro_w2gw_28_carta_do_dia.49195.41971

Picasso.Source

Anúncios