Avançamos para um eclipse na Lua Cheia de Leão no próximo sábado e desde já podemos sentir um crescendo de emoções que pedem alguma reserva, sem ir indiscriminadamente atrás dos instintos, com todo o risco de conflitos inúteis que isso pode acarretar. Até lá somos hoje e amanhã testados na capacidade de criar bases reais de segurança, emocional, familiar, estrutural nacional: com a Lua em Caranguejo em oposição a Plutão em Capricórnio e quadrado a Urano em Carneiro, há pontos de crise que já duram há tempos e que voltam a lume para depuramento.  A que é que nos podemos agarrar? Assim, esta terça e amanhã quarta temos a possibilidade de começar a preparar o eclipse traçando linhas claras sobre o que é  é verdadeiramente imprescindível guardar e quais as iniciativas que temos de tomar para recriar bases de segurança emocional – e não só – mais adequadas ao que o coração, aliado da razão,  de facto pedem.  A dificuldade está na avaliação e reserva das decisões porque Vénus e Marte em Carneiro dão Fogo às respostas naturalmente instintivas da Lua, exacerbadas pelos toques a Plutão e Urano. Assim, devemos pensar mais friamente com a ajuda da energia do Sol em Aquário em sextil a Urano e trígono a Júpiter em Balança sobre qual é lugar único que desejamos ocupar na relação das coisas, quem somos “nós” versus os outros, quem é o “eu” versus o outro.  É com esse entendimento que definimos as bases de segurança que a Lua em Caranguejo pede, num tempo de mudanças aceleradas que podemos aproveitar ou resistir. Mercúrio que entra hoje em Aquário em sextil a Vénus em Carneiro ajuda-nos a falar do que nos move, num diálogo alargado por Júpiter em Balança a arrumar ideias com o sextil a Saturno em Sagitário. Em resumo, dois dias para cuidadosamente avaliar cada passo, sempre a andar…

Imagem: Andaimes em Notre-Dame, Paris

astro_w2gw_28_carta_do_dia-63297-11390

Anúncios