É um fim-de-semana em que o potencial de conflitos, frustração, ansiedades, revoltas ou estragos é enorme. Por um lado,  temos de repensar o que queremos ou a lógica desse querer com Mercúrio retrógrado em Carneiro até Abril – detalhes no texto de ontem. Mas temos em simultâneo o ímpeto de avançar  impetuosamente, apaixonadamente, de exercitar a vontade sem restrições, com o Sol, Vénus e Urano em Carneiro. Assim, deveríamos pensar antes de agir porque os efeitos colaterais do impulso cego fazem-se sentir com Marte, regente do Carneiro conjunto a Saturno- o que se traduz num muro de restrições, limites e regras que condicionam o querer- e com Vénus quadrada a Plutão em Capricórnio que amplifica a intensidade do desejo de dominar as relações pessoais, financeiras, políticas e que por isso suscita também as maiores resistências.  Tudo isto é lenha para a fogueira que a quadratura de Marte ao Sol acende e que causa a maior insegurança e mais conflito com outra quadratura do Sol à Lua em Caranguejo oposta a Marte.  Assim se passa o sábado para no domingo, mantendo-se os restantes aspectos e por isso as mesmas tensões, termos a acrescentar a oposição da Lua a Plutão e quadratura a Urano, trígono a Neptuno em Peixes e Júpiter em Escorpião, numa enorme exacerbação das emoções, ilusões, ou ideologias pretexto para o conflito que queremos que nos liberte das restrições ou  da ordem existente. Não são dias fáceis,  são dias de grande responsabilidade para conseguirmos manter a calma sem perder terreno e, com sentido crítico,  sermos capazes de mudar nós próprios sem o exigirmos apenas dos outros.  Mas também pode ser preciso ir à luta…

Anúncios