O que tem de ser tem muita força e é esse sentimento que domina o arranque da semana já que há desenvolvimentos que aparecem como inevitáveis e para os quais temos de contribuir aligeirando carga e estando prontos a abrir mão do velho para dar lugar ao novo. Aliás pode ser a ambição de mais e melhor que nos move, mas há cuidados e respeitos a ter em conta.  A Lua está em Capricórnio onde faz conjunção a Plutão, um aspecto que se traduz sempre tensão de arranque de ciclo de nova perspectiva emocional e estrutural, que vai desde obras em casa a alterações políticas que tragam oportunidades de regeneração das condições existentes pelo sextil ao Sol em Escorpião. Vénus em Balança em trígono a Marte em Aquário facilita contactos e acção enquanto uma quadratura de Mercúrio em Sagitário a Neptuno em Peixes tinge de fantasia ou ideologia a lógica do que se pretende desenvolver. É preciso dar atenção a este aspecto que pode levar a excessos e confusões alimentados também pela quadratura de Júpiter em Sagitário a Marte em Aquário. Com o Nódulo Norte em Caranguejo, em quadrado a Vénus e a Urano, a afirmação de posições defensivas, nacionalistas, de protecção pessoal, familiar, doméstica, não pode ser feita à custa dos equilibrios existentes. É esse o grande risco e desafio: como mudar e proteger o que nos é querido sem com isso prejudicar ou mesmo rebentar com as relações existentes, um tema muito presente toda a semana.