A semana começa tensa, cedo na manhã de segunda com uma conjunção da Lua a Plutão em Capricórnio, seguido de uma quadratura da Lua a Urano em Carneiro e oposição ao Nódulo Norte em Caranguejo o que é seguido ainda de uma quadratura da Lua a Vénus em Escorpião depois de entrar em Aquário já pela noite. Como pano de fundo temos o Sol em Sagitário em quadratura a Marte em Peixes: mantém-se a dificuldade de darmos os passos que queremos na direcção que sonhamos, como se o desejo fosse incompatível com o exercício da vontade. Vénus em Escorpião em sextil a Saturno em Capricórnio dá-nos a oportunidade – se a reconhecermos- de pragmaticamente organizarmos darmos corpo à passionalidade, de fazer mudanças de fundo, com controlo, desde que tenham bons fundamentos e uma perspectiva a longo prazo. Mas para isso temos de lidar com os aspectos difíceis da Lua acima enunciados: as ambições devem ser revistas, temos de estar abertos a abandonar algum do controlo que temos das situações de poderes partilhados, em prol de segurarmos apenas o que nos diz respeito. No final do dia e depois de todos os choques de interesse, com a entrada da Lua em Aquário e quadratura a Vénus, sentimos a vulnerabilidade e procuramos apoio em quem nos rodeia. Mas mantém-se a quadratura de Urano ao Nódulo Norte e a estabilidade desejada é difícil de alcançar.