A Lua Cheia em Sagitário é na segunda-feira mas até lá e durante todo o fim de semana a Lua está neste signo de viagem, conhecimento, expansão e verdade em que crescem as expectativas e o optimismo tende a dominar as incertezas. Vaicabar por ser um fim-de-semana  de esperança de que as decisões que estamos a tomar sejam as certas para um futuro melhor,  em casa, em família ou para a nossa própria segurança emocional. É a  Lua que rege o Caranguejo e é neste signo que se agitam Marte, Mercúrio e o Nódulo Norte  que nos empurram para comunicar e agir em função de um  futuro sonhado- pelo trígono a Neptuno em Peixes, opondo-se a Saturno, Plutão e ao Nódulo Sul em Capricórnio,  forças que nos prendem ao passado e a estruturas de organização de vida que têm de mudar.

Há por isso dois combates em curso. O primeiro é  o da polarização Caranguejo/Capricórnio, em que a saída é pelo Caranguejo onde está o Nódulo Norte, Marte e Mercúrio numa opção que deve ser claramente em função da definição e criação de uma nova maneira de viver . O segundo vem da polarização que culmina na Lua Cheia de segunda-feira entre o Sol em Gémeos e a Lua em Sagitário: preferíamos que houvesse várias opções mas no fundo só há uma verdade e isto divide-nos e exacerba a tensão entre o que queremos e o que intuímos.

Neste cenário, temos no sábado a Lua em Sagitário a opor-se a Vénus em Gémeos no que se traduz nalgum descontentamento já que a tendência é para desejar uma coisa e o seu oposto  mas tais flutuações não têm seguimento para além de poderem custar caro, financeira ou emocionalmente.  No domingo a Lua faz conjunção a Júpiter e quadratura a Neptuno em Peixes o que se traduz em entusiasmo e boa disposição mas temos de estar atentos ao fundamento do positivismo já que a quadratura a Neptuno não permite ver bem a realidade. É o sextil de Neptuno todo o fim de semana, a Saturno em Capricórnio que nos dá a orientação de fundo: podemos sonhar, podemos agir, mas temos de ter os pés em Terra mesmo para dar um salto.