O melhor a fazer hoje é abrirmo-nos a novos valores, experiências e perspectivas do que vale ou não a pena defender individual e colectivamente, para o mundo ou mundos em que participamos. O desafio surge inesperadamente com a quadratura da Lua em Aquário a Urano em Touro. Em simultâneo,  a quadratura que se desenvolve entre Urano e Mercúrio em Leão reforça a necessidade de não ir atrás do ego naquilo que se pensa ou diz, já que essa identificação choca com a abertura ao novo que os tempos requerem.  Sol e Vénus conjuntos em Leão em quincúncio exacto a Plutão em Capricórnio revelam lados sombra da ordem das coisas que nos impedem de brilhar com a espontaneidade desejada, dada a tensão entre o que queremos ser e o que somos ou podemos ser. Estamos a caminho da polaridade máxima entre o Sol e a Lua de Leão para Aquário, amanhã quinta feira na Lua Cheia e para isso quanto maior o esforço de articulação já hoje entre o sentido de identidade e o sentimento de pertença, entre o eu e os outros mais facilmente dobraremos esse cabo.