O horóscopo da instauração da República em Portugal a 5 de Outubro de 1910 é extraordinariamente representativo,-  tanto pelos aspectos que contem como pelos trânsitos que se sucedem,  – da evolução da situação política no país desde 1910. Sabia-se que tinha sido pelas 9 da manhã mas a hora exacta foi encontrada num manuscrito inédito de Fernando Pessoa que o astrólogo Luís Resina desencantou nos Reservados da Biblioteca nacional e que depois rectificou para as 8.30 e analisou.  Muitos já fizeram interpretações várias do tema, mas dado o momento actual de crise e potencial transformação das estruturas políticas e financeiras, é bom olharmos novamente para o passado para melhor entendermos o que se pode esperar a curto e médio prazo, dos trânsitos potentes em curso dos planetas lentos, aos planetas natais desse horóscopo.

Para simplificar a leitura de quem está menos a par da simbologia dos astros, de uma forma quase esquelética, direi que o Sol representa o país ou o seu dirigente, a Lua o povo ou as carências, Mercúrio a opinião pública e os media, Vénus a riqueza, o feminino, a banca, Marte a indústria, a guerra, Júpiter a expansão, o capitalismo, a religião e leis, a ideia de futuro, Saturno as restrições, responsabilidades, estruturas de governo, limites internacionais, peso do passado, Urano a tecnologia, terrorismo, organizações internacionais, Neptuno ideais, ideologias, petróleo, consciência social, Plutão as grandes crises de transformação, morte e renascimento, dívidas públicas, coação e manipulação, revoluções da estrutura de governo, política, militar ou financeiramente, Nódulo Norte, o caminho da evolução. Quanto aos aspectos, uma conjunção representa o início de um ciclo, uma quadratura uma tensão interna, uma oposição uma tensão externa, um trígono uma fluidez de desenvolvimentos, um sextil uma oportunidade, um quincúncio dificuldades de conciliação.  O Ascendente é a imagem externa do país, o Fundo do Céu as raízes nacionais, o Descendente as parcerias externas, o Meio do Céu a acção governativa.

Com este pequeno léxico é mais fácil ler a sua reveladora simbologia ilustrada pelos acontecimentos políticos que lhes corresponderam exactamente no tempo. Como os trânsitos são cíclicos, o objectivo deste exercício é podermos identificar como no passado este ou aquele trânsito se revelaram para que, ao olharmos para a sua repetição agora, podermos projectar a sua actual manifestação e consequências.  Nesta Primavera de 2013Plutão está quadrado ao Sol, Urano oposto ao Sol e Saturno no Ascentente.  

Assim, vamos olhar para  o passado para ver o que aconteceu quando tal como agora Plutão fez aspectos ao Sol, Saturno passou o Ascendente, Urano se encontrou com o Sol etc…e ao fazê-lo por ordem cronológica temos uma perspectiva evolutiva dos parâmetros políticos que têm governado o país:

1924-1925–  Várias crises da República – Saturno conjunto à Lua, oposto a Saturno, Saturno passa o Ascendente, Saturno oposto ao Nódulo Norte

1926– Golpe militar que coloca Salazar nas Finanças e abre caminho para o Estado Novo –Plutão quadrado ao Sol

1930– Fim do parlamentarismo, Salazar cria a União Nacional, sistema de partido único- Urano oposto ao Sol

1933- Revisão da Constituição por plebiscito, Portugal torna-se um república unitária, coorporativa, baseada em Deus, Pátria e Autoridade- Plutão conjunto a Neptuno

1940-1942– Segunda Grande Guerra – Plutão quadrado a Lua e a Saturno

1949 – Portugal adere à NATO – Plutão conjunto ao Meio do Céu

1950-1951– Depressão económica do pós-guerra, Portugal tem de recorrer a empréstimos do Plano Marshall- Plutão quadrado Nodulo Norte e Saturno conjunto Vénus

1953-1954– Portugal perde o Padroado do Oriente, fim das relações diplomáticas com a India, agravamento da tensão em Goa e das relações com Inglaterra- Saturno conjunto a Lua, oposto a Saturno

1955 – Portugal adere ás Nações Unidas, bloqueio económico na Índia, internacionaliza-se e agrava-se interna e externamente a contestação ao regime

1955/1956– Vinte cinco por cento do orçamento vai para as forças armadas, polícia do regime e outros orgãos de defesa e repressão, aumenta substancialmente o nível de progaganda- Plutão oposto Quíron e Saturno a entrar em Sagitário

1958– Situação na Índia a caminho do fim, pressão anti-colonial sobre Portugal nas Nações Unidas é imensa e contestação interna também, Botelho Moniz ministro da Defesa faz alterações estruturais nas Forças Armadas para as preparar para a guerra de subversão nas colónias e para as obrigações da NATO no continente- Saturno oposto a Plutão e  Plutão em Virgem sextil a Lua

1958-1962– Princípio do fim do Império, entrada na EFTA,  golpe de estado fracassado de Botelho Moniz, começo da guerra em Angola, queda da India – Neptuno conjunto a Lua oposto a Saturno e conjunto ao Ascendente

1968– Alastrada a guerra colonial desde 61, Salazar cai da cadeira e Marcelo Caetano sobe ao poder –Plutão quadrado ao Nódulo Norte, Saturno oposto ao Sol, Urano conjunto a Mercúrio

1970– Morre Salazar, a guerra agrava-se em África, o espírito de liberdade e novos ideais cresce assim como as remessas de emigrantes e abertura ao comercio externo – Saturno conjunto a  Saturno em retorno, Neptuno em Sagitário, Urano conjunto ao Sol, Plutão conjunto a Vénus

25 Abril 1975 – Revolução, fim do regime e da guerra colonial –Plutão conjunto a Marte, Neptuno sextil ao Sol, Saturno conjunto a Plutão

1976- 1977– Novo regime, nova constituição portuguesa, primeiro governo constitucional de Mário Soares, FMI pela primeira vez em Portugal e Portugal pede adesão à CEE – Plutão conjunto ao Sol, Saturno no Meio do Céu

Finais de 1980–  Eleições de Outubro dão vitória ao PSD e a Sá Carneiro, Acordo de pré- adesão à CEE a 3 de Dezembro, cai avião e morre Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa a 4 de Dezembro, eleições presidenciais a 7 de Dezembro, vitória de Eanes-  Plutão conjunto a Júpiter  e Saturno e Jupiter conjuntos a Marte

1983–  Novas eleições em Abril, depois de Eanes dissolver a Assembleia, vitória de  Mário Soares, entra o FMI pela segunda vez em Portugal resgate de 750 milhões, grandes cortes de despesas e restruturação económica- Plutão quadrado a Plutão, Saturno conjunto a Lua, Saturno oposto a Saturno

1985-1986 – No final de 1985, a  6 de Novembro,  Cavaco Silva toma posse do X Governo Constitucional depois de eleições a 6 de Outubro, Portugal adere a CEE a 1 de Janeiro de 1986, Mario Soares torna-se presidente da República a partir de Março de 1986 – Plutão conjunto a Lua,  oposto a Saturno

1988–  Internacionalização de Portugal e da economia portuguesa mas dificuldades e queda da bolsa devido ao choque petrolífero de 10 de Outubro de 1987. CGTP e UGT unidas pela priveira vez em greve geral em finais de Março- Plutão passa o ascendente e Saturno oposto a Plutão

2002– Janeiro- O euro substitui o escudo como moeda nacional- Nódulo Norte conjunto a Plutão, quadrado a Vénus

2005– Março, Sócrates ganha eleições legislativas- Saturno conjunto a Neptuno oposto a Urano

2007– Legalização do aborto e Presidência Portuguesa da UE – Plutão oposto a Plutão, Plutão quadrado Vénus, Saturno  no Meio do Céu

2010– Crise financeira, crise de Sócrates-Plutão sextil a Lua, Plutão trigono Saturno, Urano oposto a Venus, Saturno conjunto a Marte

2011– PSD ganha eleições a 5 de Junho e a 11 de Junho Passos Coelho toma posse do XIX Governo Constitucional- Saturno conjunto ao Sol, Urano quincúncio à Lua, Jupiter conjunto a Saturno, e eclipse total da Lua oposta a Plutão

2013– Primavera Plutão quadrado ao Sol, Urano oposto ao Sol, Saturno no Ascentente, Jupiter conjunto a Plutão e  de seguida Jupiter trígono a Lua……

LEIA AQUI na Parte II as perspectivas até 2015 quando termina a actual quadratura de Plutão ao Sol.

portugal_republica

Anúncios