Por Clara Days:
Palavras-chave: Esperança; inspiração; confiança; promessa.
Na semana que passou, a energia do Arcano 16, a Torre, veio derrubar os nossos muros e deixar-nos perante as possibilidades que a destruição permite. Agora vem a carta seguinte, o Arcano Maior 17. A Luz-Guia da Estrela (ou das estrelas, no plural, como foi primitivamente também chamada) vem para iluminar a nossa semana, de dentro para fora, feita de inspiração e esperança.
Ela representa, entre os arcanos maiores do Tarot, o Princípio Universal de Renovação das Categorias. Algo diferenciado tem que se distinguir do indiferenciado e, assim, possibilitar mudança, movimento, evolução, como também continuidade, numa espiral constante que corresponde ainda ao Eterno Retorno.
No plano humano, esta Estrela traz consigo a renovação das nossas crenças, a certeza interior de que escolhemos um caminho e de que o que hoje somos e fazemos se pode harmonizar. E mostra-nos ao mesmo tempo o quão pequenos somos, mas que pertencemos e fazemos diferença, temos o nosso lugar no Universo. Há muita espiritualidade na Estrela, mas há sobretudo muita esperança. Já sabemos relativizar. Já sabemos o que merece a pena e o que não adianta valorizar. Ela ajuda-nos a harmonizar o que ficou do passado com o que somos no presente e o que queremos para o futuro.
A mulher nua na Estrela, pura e livre, manipula as águas do consciente e inconsciente, permitindo que os harmonizemos e nos libertemos. Reconcilia-nos com o mais íntimo e puro de nós. E, assim, a luz que a Estrela revela pode vir de dentro, do lado mais belo e confiante do nosso ser. É como que a possibilidade de um renascimento interno, purificador. Provavelmente vamos perceber que muito daquilo em que acreditámos precisa de ser actualizado, melhorado, transformado criativamente. Mas não é uma ruptura – é um crescimento, uma elevação.
Nas cartas da maioria dos baralhos a Estrela é uma mulher desnudada, ou pouco coberta, à beira de um curso de água que corre. Isto parece paradoxal, pois uma estrela é um astro e representaria sobretudo o Ar. Mas a interacção que a mulher-estrela tem com a água é de derramar sobre ela o conteúdo dos vasos que transporta, não o contrário. Ela alimenta o fluxo, e enquanto que na Temperança duas vasilhas semelhantes transportam a “água” entre si, aqui, na Estrela, são derramadas, e frequentemente uma em terra, a outra no rio. A Estrela é a mulher, enquanto no céu brilha o astro que lhe dá o nome. A sua nudez é pura e inocente, este é um acto íntimo, talvez sagrado, em que o pudor não faz sentido. Passa-se de noite, protegido pela sombra e iluminado pelo que vem do céu. Em muitas versões aparece uma garça, ou a silhueta dum pelicano, perto dela, sendo este último um símbolo de amor e sacrifício.
A Estrela está associada astrologicamente ao signo de Aquário, ele também representado por uma figura humana que despeja uma vasilha de água, e que representa a elevação dos valores do colectivo. A letra hebraica que se lhe associa é HE ou HETH, a abertura, a janela. O seu título esotérico tem duas designações: “A Filha do Firmamento” ou “O Habitante entre as Águas” – e novamente aqui a dualidade entre ar e água – pensamento e emoção.
Nesta semana que entra, lembremos que todos temos uma Luz inspiradora no centro do nosso ser. Deixemos que nos guie. É preciso largar as máscaras e aceitar, integrar plenamente quem somos mesmo, livres do receio do julgamento alheio.
Podemos estar perante um novo início, ou um reinício, abençoado pela energia espiritual e curativa da Estrela. Preparemo-nos para ser guiados, durante esta semana. Os sinais serão provavelmente claros, o brilho vai estar presente, basta querer vê-lo e segui-lo.
Imagem – Tarot de Rider Waite (desenhos de Pamela Colman Smith, 1910)
Clara Days

 

Anúncios