Mais um dia complexo em que é preciso fazer conciliar energias contraditórias… Agir, empenhados no serviço das relações amorosas, profissionais, políticas ou disparar individualmente sem esperar pelo próximo nem pensar no impacto é uma tensão que se manifesta tanto com a semi-quadratura do Sol em Balança ao Nódulo Norte em Virgem como com a continuação da oposição de Júpiter em Balança a Urano em Carneiro. Divididos entre o a sós ou em conjunto, tentamos dar resposta à ambição de onde, poder, progresso, controlo das estruturas onde estamos inseridos, com a Lua em Capricórnio a fazer pela tarde uma quadratura a Urano e a Júpiter que nos mostra como é difícil ter paz enquanto não apostarmos não no poder mas sim na tranquilidade emocional, conscientes do que é importante defender a longo prazo. O mais complicado é que esse discernimento pode ser perturbado pela oposição de Vénus em Virgem a Neptuno em Peixes que nos pode fazer  julgar que estamos a dar o nosso melhor ao serviço de quem precisa quando estamos apenas a ver a realidade por um prisma muito reduzido – a quadratura que se aproxima de Vénus a Saturno em Sagitário é a grande prova disso. Mercúrio em Virgem oposto a Quíron em Peixes põe outro dedo na ferida porque no fundo sabemos que muitas folhas não fazem uma floresta e é preciso perdoar pequenos e grandes danos, em nome de qualquer coisa maior. A chave do dia está em tentar discernir o que é realidade e fantasia, o que é o infinitamente pequeno e o que é infinitamente grande, o que serve o nosso propósito e como servimos os outros, o que podemos fazer por nós para garantir o equilíbrio das relações, ameaçado por tanta tensão. Amanhã Mercúrio entra em Balança e a conversa é outra.

Tela de Robert Longo, carvão

Anúncios