Por Clara Days:
Palavras-chave: dualidade; complementaridade; conciliação; decisão.

Tudo no Universo nos lembra que o equilíbrio é feito de combinações de forças com sentido contrário, ou complementar. No Tarot, a representação do Princípio da Polaridade cabe aos Enamorados (ou Amantes, ou o Amoroso, ou outras designações com significado idêntico). Surge, como símbolo do equilíbrio, o amor-sentimento, e como elementos de sentido contrário, que são os “pratos da balança”, uma mulher e um homem.
Digamos então que, para os Enamorados, a harmonia se consegue pela combinação do elemento feminino (simbolicamente passivo, frio, o Anima que simboliza a natureza vivente, a energia Yin para a filosofia chinesa), com o elemento masculino (activo, quente, o Animus, símbolo da natureza intelectual-espiritual, a energia Yang). São contraponto um do outro, e da união dos dois se fará o todo, sem que no entanto faça sentido que esse todo seja um, mas sempre dois – os pólos contrários que se atraem e se equilibram.
Falando num plano pessoal, digamos que o que aqui se diz é que a harmonia (amor) se consegue pela complementaridade, não pela semelhança. Somos naturalmente atraídos por qualidades que são compatíveis com as nossas, mas diferentes, ou mesmo opostas, em grau ou intensidade.
Só que é importante que se tome esta Amor num sentido lato e abrangente, pois não é de relações românticas que este Arcano Maior fala. E assim se pode alargar o sentido da mensagem dos Enamorados, reportada à entrega a uma causa, ao perseguir de um desejo, a uma paixão por algo a que podemos dedicar-nos. A decisão de enveredar pelo caminho desse Amor está na mensagem dos Enamorados.

As cartas tradicionais incluíam nas sua imagens, além dos dois protagonistas (trajados e em atitude de tipo palaciano), um terceiro elemento que os apresenta (o “casamenteiro”, o catalisador…) e um elemento celeste que os inspira (o Cupido angelical, ou o Eros). Temos então este significado primitivo para a carta, o de uma união que é facilitada socialmente mas com validade espiritual e atracção erótica. Com o tempo, a primeira personagem que vai desaparecendo nas representações dos Enamorados é o/a casamenteiro/a, permanecendo mais frequentemente a figura espiritual, que incita, protege ou abençoa. Mas cada vez mais Os Enamorados estão sós, um perante o outro. A maioria dos baralhos, desde há um século para cá, representa as personagens nuas, mostrando-se na sua verdade, sem ocultações ou disfarces. Curiosamente, na imagem do baralho de Crowley os amantes estão vestidos em traje real, mas cada um é sobreposto por uma imagem de criança despida, aludindo a que a união destes seres é a do seu estado mais puro. De assinalar também que, nesta mesma representação, o elemento masculino é negro e a mulher branca, reforçando a ideia de diferença.
O Arcano Maior 6 está astrologicamente associado ao signo de Gémeos, da dualidade e da comunicação. O seu número é considerado um número da perfeição e pode ser considerado a representação da União Criativa. A letra hebraica que lhe corresponde é ZAIN ou ZAYIN, a espada ou a Mulher de Valor. O seu título esotérico: “O Oráculo dos Deuses Poderosos” ou “O Filho da Voz”.

Nesta semana que agora começa o Sol sairá do intenso Escorpião para entrar no filosófico Sagitário. Os Enamorados vêm convidar-nos a aceitar o amor como caminho pessoal para a harmonia.
Pedem-nos que conciliemos os opostos, que sejamos diplomáticos, que procuremos um equilíbrio dinâmico que não neutraliza as diferenças, antes as reforça positivamente.
Há dualidades na nossa vida que temos de apaziguar, não por deixar um lado abafar o outro, mas por encontrar o modo de conciliar os dois e obter um resultado mais completo e elevado. Luz e sombra são verso e reverso, como o dia e a noite se complementam. Na realidade, os contrários não precisam de ser contraditórios.
O que nos apaixona? Que pessoa, causa, actividade, merece a nossa dedicação? Procuremos criar condições para que essa paixão se concretize, trazendo um sentido de realização pessoal à nossa vida. Muitas vezes, apenas depende de uma decisão nossa e de alguma determinação, se soubermos explorar os nossos desejos com criatividade. É de União Criativa que a polaridade dos Amantes nos fala.
Em termos mais comuns, ouçamos a voz do coração e arrisquemos deixar-nos guiar por ela. Isto começa no gostar de nós próprios e abre-nos aos outros. A partir de uma escolha interna, podemos reposicionar-nos no mundo externo e resolver contradições.

Imagem : Tarot de Thoth, de Alister Crowley, com desenhos de Frieda Harris (realizado no início da década de 1940, 1ª edição em 1969)

Clara Days

Anúncios