O tema do fim-de-semana prende-se naturalmente com a aproximação do eclipse do Sol e Lua Nova do próximo dia 13, já que estamos a completar processos para nos podermos abrir  a  um novo arranque emocional, doméstico, familiar. Nessa senda, temos no sábado a oportunidade de surpreender e ser surpreendido pelo impulso para largar o passado e ir atrás de novos valores que nos sejam queridos com a Lua em Carneiro a fazer trígono a Vénus em Leão antes de uma conjunção a Urano em Touro- regido por Vénus. Esperar o inesperado e ver nisso a possibilidade de nova ordem é também favorecido pelo trígono que a Lua, de seguida, faz a Saturno em Capricórnio mas isso não acontece sem discussão porque a Lua faz também, pela noite, quadratura a Marte em Aquário o que exige atenção redobrada na forma como defendemos o que julgamos serem os nossos interesses.

No domingo, o grande desafio é o de ser capaz de racionalizar o fluxo de sentimentos que sobram de sábado e a que se juntam o potencial de exagero – alimentado pela Lua em Touro oposta a Júpiter em Escorpião – e a tensão entre a segurança que queremos ter e as dúvidas que nos assolam sobre se estamos a pensar bem e a seguir o nosso verdadeiro caminho, com a Lua em Touro em quadratura ao Nódulo Norte e a Mercúrio em Leão. Felizmente, um trígono da Lua a Saturno e um sextil ao Sol em Caranguejo, antes de um trígono a Plutão na madrugada de segunda-feira podem ajudar a mudar o que tem de ser mudado nestes preparativos para o novo capítulo que se abre – já que outro se fecha – no eclipse da próxima sexta feira 13.

Tela de Ai-Mitsu, 1907-1946, Japão

 

 

Anúncios