Abrem-se janelas de oportunidades, novas ideias para futuro, possibilidades de expansão e a esperança de que podemos viver a nossa verdade, hoje com a Lua Nova em Sagitário que abre este ciclo lunar, culmina na Lua Cheia do proximo dia 22 e inicia novo ciclo com um eclipse parcial do Sol, na próxima Lua Nova e primeira do ano, a 6 de Janeiro de 2019, conjunta a Saturno.

É como se os horizontes que hoje se anunciam tivessem como consequência a obrigatoriedade de, nestes próximos 28 dias do ciclo lunar, prepararmos o terreno para assumir novas responsabilidades já que num eclipse do Sol em Capricórnio, mesmo que parcial, há mudanças na liderança, na ordem, na orientação, nas estruturas de organização e de poder, mais ainda pela conjunção de Saturno que estará presente. E como a Lua Cheia que ocorre entre esta Lua Nova e a próxima com eclipse, será em Caranguejo no Solstício de Inverno, a indicação é de que por detrás de todas as movimentações e reorganizações que vão ocorrer está um motor de busca de segurança emocional, familiar, doméstica, nacional, perspectiva acentuada pelo trânsito do Nódulo Norte, também em Caranguejo, todo o mês de Dezembro em quadratura a Urano em Carneiro, numa tensão entre os impulsos de acção e as necessidades de garantias.

Para começar, a partir da Lua Nova de hoje podemos contar com o fim da retrogradação de Mercúrio para ver avanços reais no tratamento das questões de fundo que temos estado a rever desde meados de Novembro. Mercúrio vai ficar em Escorpião até dia 12, dia em que volta a entrar em Sagitário, fazendo conjunção a Júpiter na Lua Cheia, amplificando pela lógica das coisas todas as expectativas que hoje se abrem e que obrigarão a uma nova ordem estrutural, uma nova organização, no eclipse de 6 de Janeiro.

Há que navegar com cuidado neste pano de fundo de grandes ideias para o futuro e consequentes abalos à ordem existente e essa atenção tem de começar já hoje num esforço de não nos enganarmos, não sermos enganados e não enganarmos. Marte está conjunto a Neptuno em Peixes em quadratura a esta Lua Nova e o potencial de ilusão, decepção ou de cálculos mal feitos é enorme. Devemos agarrar-nos a Vénus em Escorpião em sextil a Saturno em Capricórnio para nos focarmos na possibilidade de reformulação do que estiver em jogo, de  forma bem estruturada, indo ao fundo do que nos une aos outros, da nossas relações pessoais, financeiras, de poder para as regenerar e dar novas bases sólidas. Todas as grandes ideias que agora surgirem que não forem canalizadas para essa arrumação segura, mesmo que passional, e que poderá ser posta em prática já no início do próximo ano, serão levadas pela enxurrada de emoções e ilusões da conjunção de Marte a Neptuno.