Só pelo final da tarde deste arranque de semana é que é as coisas parecem estabilizar,  depois de um dia com grande potencial de percalços ou frustração. Pensamos hoje que sabemos o que queremos e como naturalmente nos sentimos impelidos a ir atrás dos desejos, das grandes ideias, do que apostamos ser a verdade –  com a Lua em Carneiro, Vénus em Sagitário em trígono a Marte em Carneiro e Júpiter também em Sagitário em quadratura a Neptuno em Peixes, – a tendência é para esquecer que Saturno, Mercúrio, Plutão e Sol em Capricórnio nos apontam um só caminho que é o da responsabilidade, da adopção de regras, de planeamento a longo prazo, de transformação profunda mas ordenada das estruturas em que estamos inseridos, em casa, trabalho ou política, sem que o sonho ou a metafísica sejam tidos em consideração.  O choque entre as duas perspectivas é dado pelo trânsito da Lua que, em Carneiro,  GMT, começa a madrugada em quadratura a Plutão, de manhã faz quadratura ao Sol e pela hora de almoço e arranque da tarde conjunção a Urano, semi-quadratura a Neptuno, quadratura aos Nódulos e sesquiquadrado a Júpiter. Resultado: ir a atrás de impulsos só traz dissabores, bloqueios e irritação e vai ser preciso esperar pelo cair da noite quando a Lua entrar em Touro para apagar o Fogo, pormos os pés na Terra e avaliarmos sériamente onde e como vamos investir para garantir segurança a todos os níveis. Um dia para reflectir em vez de nos expormos intempestivamente.