O que desejamos mais este fim-de-semana é que não haja conflitos no entanto temos de estar prontos para eles, tanto sábado como domingo, a defender as boas ideias.

Até domingo à hora de almoço, a Lua está em Balança, signo em que o estímulo  é o de respeitarmos os equilíbros das relações, evitarmos conflitos, procurar justiça e soluções estéticas para todo o género de problemas, pessoais, financeiros, políticos. Mas neste trajecto, as ameaças são grandes.

Como pano de fundo temos o mundo a que pertencemos, a comunidade, os grupos sociais, aquilo em que nos integramos e de que queremos falar, explorar com Sol e Mercúrio em Aquário. É aqui que queremos ter iniciativas, ir mais longe, com Urano seu regente em trânsito em Carneiro e a aproximação de um trígono de Vénus em Sagitário. A expansão, a divulgação da verdade, a viagem da mente, conhecimento ou turística é o que mais nos entusiasma com Júpiter e Vénus em Sagitário a receber um trígono de Marte em Carneiro e se o pudermos fazer em boa companhia, no sábado, com um sextil da Lua, melhor ainda.

No entanto, nada disto se passa sem conflitos nem entraves que é preciso minimizar com flexibilidade já que há muitas vias para chegar aos mesmos objectivos. A Lua faz no sábado oposição a Marte e quadratura a Saturno e a Plutão em Capricórnio e é pouco provável que escapemos a uma chamada à realidade e à necessidade de repensar o delicado equilíbrio entre o que se dá e o que se recebe. No domingo de manhã a Lua faz oposição a Urano antes de entrar em Escorpião e fazer quadratura a Mercúrio e ao Sol.  As surpresas, separações súbitas, reações inesperadas causam a insegurança que leva à desconfiança e pulsão de controlo que de seguida acompanha a passagem da Lua para Escorpião na tarde de  domingo. Os aspectos duros da Lua a Sol e a Mercúrio confirmam a tensão entre o que sentimos e onde estamos, o desconforto de não estar em sintonia com o colectivo. O melhor é não dar muita atenção a estes atritos e focarmos a energia do fim-de-semana na expansão do que de bem ou bom podemos fazer, ajustando os planos à realidade e limites, sem com isso perder a esperança de sucesso.