Desde ontem e até sexta feira há um aspecto explosivo nos Céus que é  a conjunção de Marte a Urano no último grau de Carneiro. Há sete anos que Urano saiu de Peixes e entrou em Carneiro, Água e Fogo, com o estrondo do acidente de Fukushima o que nos afectou globalmente enquanto a nível individual  correspondeu a apelos de acção e rebelião, desde domésticos até a intensificação de atentados sobre o colectivo. Esta influência está a terminar e Urano a 7 de Março, Fogo e Terra, entra em Touro abrindo novo ciclo em que o impulso se exerce sobre a ecologia, a Terra, os bens materiais, financeiros, os valores estáveis,  os hábitos alimentares que terão de ser “arejados” por este novo ciclo de sete anos de Urano. Estamos assim num fim de ciclo de Urano que esta semana é catalizado por uma conjunção de Marte o que despoleta uma intensidade maior no impulso de mudança, libertação, conflitos de poder e, fundamentalmente, na expressão da vontade pessoal para pôr fim a tudo que ficou por resolver nestes últimos sete anos.

Hoje também, tal como ontem e ainda amanhã, a Lua em Touro lembra-nos a necessidade de estabilidade material, financeira, nas questões da Terra e de tudo o que é palpável, sobre as quais sentimos desde já a instabilidade e abalos possíveis  que exigem a defesa de um novo ciclo de valores. Um trígono hoje da Lua a Saturno e a Plutão em Capricórnio permite-nos fazer alguns ajustamentos mas isso não se traduz em sentimentos de que tudo está bem porque a Lua faz quadratura ao Sol em Aquário, como se o que fazemos não chega para nos fazer sentir bem com o estado do mundo ou com o nosso lugar nele. Com Quíron no último grau de Peixes, a entrar em Carneiro no dia 18, é importante darmos atenção às dificuldades de expressão ou sentimentos de desadequação nas relações com os outros. Não há que esconder nada, há que dizer a Verdade do coração e seguir em frente, com sentido prático e sem amarras.