É muita a confusão, idealização ou excesso de sensibilidade e grande a tensão entre o que se quer dizer, o que se sente, o que se quer fazer e os limites externos e responsabilidades. Vivemos esse dramatismo e simultaneamente a sensação de que já vimos este filme mas esperamos com “fé” que tudo acabe bem. Não podemos ainda agir –  vamos ter de esperar por sexta feira, pela Lua Nova em Carneiro para poder pegar em armas e pormo-nos ao caminho na resolução dos impasses que ainda estão por resolver.

Hoje estão em Peixes a Vénus, a Lua e Mercúrio directo conjunto a Neptuno. Os sentidos, amor e compaixão, generosidade, criatividade e a capacidade de sermos verdadeiras esponjas emocionais do que nos rodeia dominam as reações à flor da pele e não há lógica que segure ou estruture essas emoções, mais ainda com Marte em Gémeos em quadratura a Venus e à Lua. A língua fica afiada com Marte em Gémeos mas essa capacidade  de afirmação verbal não é unidirecionada, não só por se encontrar em Gémeos como pelo facto de o seu regente Mercúrio estar em Peixes, conjunto a Neptuno: a razão sob uma grande lupa cor-de-rosa ou turva mas nunca certeira. Esta conjunção de Mercúrio a Neptuno já aconteceu a 18 de Fevereiro e a 24 de Março e andamos assim há um mês e meio a tentar discernir algo que dificilmente será claro enquanto o aspecto não se desfizer completamente e Mercúrio entrar em Carneiro, na Lua Cheia de 19 de Abril a partir da qual podemos dizer o que vamos fazer.

De facto, até ao fim de Abril estamos sob Céus exigentes que nos forçam a largar o passado e a procurar estabilidade emocional,doméstica ou nacional em novas estruturas de vida e de organização social com o Nódulo Sul em conjunção com Plutão em Capricórnio e o Norte em Caranguejo em quincúncio a Júpiter em Sagitário a ilustrar as dificuldades de se viver “em verdade” ou de se fazer planos de futuro ou de expansão.

De facto, face a tanta incertitude, há que simultamente ser inovador e conservador – adoptar novos valores – Urano em Touro – que guiem o debate e defesa de opções- semi-sextil a Marte em Gémeos e com os pés bem em Terra  dar forma a uma lógica limpa de fantasias com o sextil de Mercúrio em Peixes a Saturno em Capricórnio.

São intenções, passos, pedras com que se vai calcetando o caminho turtuoso que vamos ter de definir em Abril. A próxima encruzilhada é já na sexta-feira com a Lua Nova em Carneiro. Estamos desde hoje a preparar o que vamos ter de dizer que vamos fazer, depois de dia 5.

Tela- Max Ernst