É pela hora de almoço GMT que estamos sob a influência exacta  da Lua Cheia em Balança, – a segunda este ano depois da de 21 de Março, a primeira a 0 graus e esta a 29, cobrindo assim todo um ciclo, do princípio ao fim  – para bem entendermos que não é sozinho que conseguimos atingir os nossos objectivos. São Luas Cheias que apelam ao diálogo, ao entendimento, à procura de soluções de compromisso entre o desejo de iniciativa puxado pelo Sol em Carneiro e a necessidade de encontrarmos equilíbrios nas relações. O que sentimos fortemente é a polarização entre a vontade de agir e a urgência de um compromisso e daí a importância do diálogo e da compaixão. Vénus regente da Lua em Balança e de Urano em Touro está em Peixes, ainda em sextil a Plutão  e trígono ao Nódulo Norte e os gestos de abertura e dádiva vêm do coração ajudando a encontrar novas bases de segurança emocional, novos valores a que nos agarrarmos, mas sempre com compromissos porque também a Lua faz quadratura ao Nódulo Norte.

Depois desta Lua Cheia,  do extremar de posições entre o eu e os outros, entre o masculino e o feminino, entre a vontade cega e o compromisso, as energias mudam com a entrada do Sol em Touro, de Vénus em Carneiro e da Lua em Escorpião. O fim-de-semana anuncia-se assim como um ponto de viragem em que, em vez de queremos fazer, passamos a querer ter e a apaixonadamente perseguirmos esse objectivo através de contactos e escolhas de opções com Marte regente do Carneiro e do Escorpião em trânsito em Touro. Uma vez mais a flexibilidade é necessária porque o Sol faz conjunção a Urano e o que pensávamos que eram valores seguros podem deixar de o ser, obrigando a abrirmo-nos a novos valores que desde os compromissos desta Lua cheia surgem já como necessários.