Por Clara Days:
Palavras-chave: Equilíbrio; moderação; pureza; integração.

Ei-la que volta, após duas semanas. Ela é o ponto certo do equilíbrio, quando o dentro e o fora estão em paz, os sentimentos se elevam e a transcendência desce. A contradição é pacificada e o novo nasce, fruto dessa pacificação.
A Temperança encerra o segundo septenário dos Arcanos Maiores do Tarot, da aprendizagem de nós, quando procuramos as respostas no que trazemos dentro. É também o olho do furacão, essa estranha calmaria, entre a regeneração radical da Morte e o instinto libertário do Diabo.
A partícula e o Universo parecem equivaler-se aqui, porque cada partícula é um elemento único no equilíbrio universal. Com a Temperança, a energia cósmica flui em nós, sem obstáculos, antes unindo, combinando as tensões, sintetizando para encontrar a perfeição, o belo. Quando lhe chamamos Arte, algo a assemelha à Pedra Filosofal dos alquimistas, essa existência lendária que transforma qualquer substância “inferior” no mais nobre dos metais.
Ela é o Anjo protector e inspirador, que nos desperta para darmos o melhor do que sabemos e temos. É água e fogo, ao mesmo tempo, sem que uma apague o outro. É noite e dia, coexistindo. É masculino e feminino, yin e yang, luz e sombra, Sol e Lua, acção e estabilidade. É o meio, o mediador, o ponto de equilíbrio, no dinamismo em permanente movimento que caracteriza toda a matéria.
Com a Temperança, podemos construir a Paz.

Um anjo, ou uma mulher, verte líquido obliquamente, entre dois vasos, ou despeja fogo e água no caldeirão de magia. Num caso, temos a impossibilidade, no outro, a união de contrários. Com estrelas no vestido, um pé no chão, outro no rio, duas asas, ou duas caras, o triângulo da divindade no peito, ou no lugar do terceiro olho: os elementos visuais das cartas emprestam à personagem uma elevação simbólica, na sapiência e na espiritualidade. Também a presença das quatro bestas elementais – Touro, Leão, Águia, Anjo – pode enquadrar e reforçar o significado da carta. Outros símbolos ou animais servem de referenciais de busca de equilíbrio, inspirados em diferentes matrizes culturais.
Temperança é Sagitário, liberdade, viagem, harmonia entre o animal e o homem. 14 é harmonia, mas pode ser reduzido a 5, que é versatilidade, ou duas vezes 7, a união de duas entidades puras. SAMECKH, suporte. “A Filha dos Reconciliadores”, “O Impulsionador da Vida”.

Este surgimento tão próximo da Temperança para nos inspirar, 14 dias depois, é no mínimo surpreendente, nos tempos conturbados que o nosso mundo vive. Vem quando o fogo destrói onde nunca ardeu, quando homens públicos poderosos cavam as diferenças, em vez de trazerem conciliação, quando a turbulência impera. Tudo parece instável, e o Arcano 14 diz-nos que todos trazemos dentro a semente da harmonia.
Cada um de nós tem o seu papel, na harmonia universal, na protecção da terra, na salvação dos fracos. Apesar das forças maiores, dos poderes cruéis, da ameaça da destruição, todos temos a possibilidade de intervir para mudar. Todos, na medida das suas possibilidades. É um poder, que é também um dever.
Não podemos ignorar. Cada um, em consciência, como semente de Paz, deve dar o seu contributo, por mais ínfimo que ele pareça. Não podemos viver tempos de indiferença, temos que viver tempos de intervenção – uma intervenção criadora, mediadora de conflitos, construtora nos contrastes. Que ninguém baixe os braços, ou feche os olhos, ou se demita.
Um, mais um, mais um, somos muitos, poderemos ser quase todos. E ajudar a mudar o Todo. Cada um de nós pode ser a Temperança.

Imagem : Tarot de Visconti-Sforza, séc. XV

Clara Days