Por Clara Days:

Palavras-chave: autoridade; regulação; responsabilidade; estabilidade

Sou Pai, comandante, guardião da ordem. A sociedade só sobrevive com regras e autoridade – eu regulo o espaço comum, os lugares humanizados. Sou o Imperador.
O Arcano Maior 4 é como o quadrado, assente num dos seus lados: estável, sólido, previsível. Sintoniza-se com a vida pública e propõe-nos a sensação de estarmos seguros, quando nos deixamos guiar pelas leis, as regras e a razão. Como um Pai tradicional, assume-se como autoridade no modo como se responsabiliza. Logo, assume as suas responsabilidades sem desvios.
Representa, no Tarot, o Princípio Masculino Manifestado, conceito que nos aparece com uma designação retrógrada, mas que se define em contraponto à Imperatriz, como seu complemento: enquanto ela é a natureza e a lei da selva, ele é o humano que planta. Enquanto ela segue o instinto, ele segue a razão. Enquanto ela protege, ele defende. Enquanto ela está em sintonia com a sua essência, ele está atento ao que se passa no exterior. Em conjunto, cuidam e orientam.
Baralhos diferentes do tradicional europeu propõem para esta carta designações que até lhe podem alterar o foco: no de Osho Zen é o “Rebelde”, para outros chama-se “Ordem”, “Poder”, “Senhor” ou “Determinação”.

Nas imagens, o Imperador aparece normalmente sentado num trono, mais ou menos formal, acompanhado por símbolos do seu poder – manto, coroa, ceptro ou espada, globo, escudo. Este último comummente adornado com a figura heráldica da águia de duas cabeças, que representa poder e domínio sobre o todo, a oriente e ocidente. É também recorrente a presença da cabeça de um carneiro, associando-o ao signo do Zodíaco que lhe corresponde, o primeiro do calendário astrológico. De frente, ou de perfil, mostra-se atento ao que vê, com uma expressão concentrada. Baralhos mais recentes referenciam-no a figuras de poder de diferentes culturas, das mais primitivas às contemporâneas.
O seu número 4 fala de estabilidade, firmeza e conservadorismo, mas é também estruturante no modo como definimos a ordem natural: os quatro pontos cardeais, as quatro estações do ano… A letra hebraica que lhe corresponde é TZADDI ou TZADIK, a Fé do Justo. Título esotérico deste Arcano Maior: O Chefe entre os Poderosos.

Quando o Imperador nos inspira, pede que assentemos os pés no chão e nos viremos para o mundo, com determinação e firmeza. É tempo para estabelecer planos sólidos, para materializar ideias dum modo claro e assertivo. Ele traz-nos auto-controle e realismo.
É interessante que venha quando se inicia Setembro, o mês que, no hemisfério Norte, corresponde ao recomeço do ano laboral, após o descanso do Verão. Como se nos dissesse que precisamos de voltar à vida regrada, que agora não deve haver devaneios, antes um quotidiano produtivo em direcção a metas que se podem estabelecer ou quantificar.
Sob a influência do Imperador, a razão predomina sobre a intuição, o concreto ultrapassa o abstracto, o material sobrepõe-se ao espiritual. É como que um momento para assentar ideias e passar à acção produtiva, metodicamente, com firmeza e a dose de entusiasmo que caracteriza os recomeços.
Por esta semana, deixemos um pouco de lado a imaginação. A vida concreta chama por nós.

Imagem: Tarot Ostara, colaborativo – desenho de Krista Gibbard, 2017

Clara Days