Este é um fim-de-semana de escolhas em que o que está em causa é a ordem e segurança que desejamos para o futuro – data bem escolhida para eleições- escolhas essas que visam a avaliação da justiça entre o que damos e recebemos -no amor, no trabalho, nas finanças ou na política- e a escolha do que deve ficar para trás, que não serve mais os propósitos evolutivos, individuais ou colectivos.

Tanto sábado como domingo, o Sol em Balança faz quadratura ao Nódulo Norte em Caranguejo e ao Nódulo Sul conjunto a Saturno em Capricórnio, sendo que em ambos os dias a Lua, regente do Nódulo Norte transita o Capricórnio onde faz conjunção a Saturno e a Plutão, quadratura ao Sol e a Vénus também em Balança, antes de na madrugada e manhã de segunda-feira, entrada em Aquário,  fazer trígono a Marte em Balança e quadratura a Urano em Touro e a Mercúrio em Escorpião.

Todos estes são símbolos claros de mudança na forma como nos relacionamos, nos acordos existentes, nos equilíbrio de poder de que dependíamos. Os sinais de que naturalmente vão ocorrer mudanças são dados principalmente pela quadratura do Sol a Saturno e aos Nódulos e pela oposição de Mercúrio a Urano, o primeiro caso a indicar a tensão de largar acordos existentes e o segundo como novos valores se sobrepõem a velhas conversas de poder. O trânsito sábado e domingo da Lua em Capricórnio ilumina a ambição de ordem, com objectivos de futuro pragmáticos pela conjunção a Saturno e impulso de mudanças profundas, estruturais, pela conjunção a Plutão. Marte em Balança é outro sinal de que apesar de vermos os dois lados da balança e de sermos capazes de agir com alguma diplomacia, é tempo de cortar laços pré-existentes e de procurar reflectir o que o colectivo deseja, quando segunda feira, Marte fizer trígono à Lua entrada em Aquário e em quadratura a Mercúrio e Urano. Os equilíbrios nos relacionamentos ou de poder têm de mudar mas será sempre em tensão.