Foi no fim-de-semana de 20 e 21 de Março que Saturno entrou em Aquário. Segundo o livro de Efemérides,  foi pelas 03.58 da manhã do domingo, a seguir ao Equinócio em que o Sol ingressou em Carneiro e a dois dias da Lua Nova de Carneiro, a 24, conjunta a Quíron, tudo em sextil a Saturno.  Saturno fica em Aquário até Março de 2023.

São semáforos nos Céus, na permanente elíptica em que rodamos e nos confrontamos com outros planetas e constelações que se cruzam e nos dão diaria e ciclicamente os sinais dos tempos, uns mais fáceis, outros mais dramáticos. Nunca para, vamos de um ciclo  para outro sob a memória do anterior, em novas experiências que formatam o ciclo seguinte. Saturno é o grande Mestre destes ciclos: romanos e hindus não tinham dúvidas em teme-lo e respeitá-lo como o Deus do Tempo ou Karma e a astrologia moderna graças a Liz Greene actualizou a interpretação do seu impacto, com um “Novo olhar sobre um velho Diabo” .

Saturno marca os nossos 30 anos e os nossos 60 e os 90 para quem lá chega porque é aproximadamente 30 anos que demora a completar um ciclo sobre a sua posição anterior, passando cerca de dois anos em cada constelação do zodíaco ou signo do nosso mapa astral.  Esteve em Aquário, no século XX, entre Fevereiro  de 1932 e Fevereiro de 1935, entre Janeiro de 1962 e Março de 1964 e entre Fevereiro de 1991 e Maio de 1993. Formatou sociedades que a bem e a mal evoluíram do ponto em que estavam para o retorno de Saturno seguinte em Aquário porque onde Saturno, conservador, autoritário, está é onde somos chamados a reformular prioridades, com responsabilidade, perseverança e pragmatismo. Aquário é regido por Saturno e por Urano, tal como as sociedades são geridas por politicas totalitárias ou por democracias. Ambos articulam obrigações e liberdades tanto na prática como na formatação do inconsciente colectivo na constelação ou signo do Aquário que simboliza o mundo, o nosso mundo, a sociedade ou grupos em que estamos inseridos.

Quando Saturno passa de 30 em 30 anos por Aquário é em grupo, em geração, social ou globalmente que somos forçados a ajustar-nos e com isso criamos uma nova estrutura de funcionamento colectivo. Estamos exactamente agora nesse processo. A compreensão do que aconteceu nos últimos 100 anos pode ajudar a enquadrar o que está agora em curso. São  de facto dias cheios de simbolismo sempre surpreendentemente adequado ao que vivemos e vemos nas notícias, na continuação da narrativa dos ciclos anteriores de Saturno em Aquário, e  arranque do novo capitulo marcado pela a conjunção de Saturno a Plutão em Capricórnio no início de Janeiro. Esta conjunção deu o mote para uma re-organizaçao profunda dos poderes politicos, financeiros e estrutura e gestão de governo. Coincidiu com uma activação do conflito entre os EUA e o Irão e com a explosão do COVID 19 na China que se tornou uma pandemia e levou esta semana em que Saturno entra em Aquário, à imposição de restrições realmente globais que estão já a afectar as bolsas internacionais e a ameaçar uma recessão global.

Quando, em 1932  Saturno entrou  em Aquário,  Plutão estava em Caranguejo, exactamente no grau oposto ao da conjunção a Saturno de Janeiro passado. O eixo nacionalista/totalitário está assim activado em ambos os casos sendo que em 1932 Hitler subiu ao poder na Alemanha abrindo o caminho para outras ditaduras europeias, enquanto nos EUA o democrata Roosevelt pôs fim a15 anos de regime republicano mas teve de governar com todas as restrições derivadas da recessão que se seguiu ao crash de 1929. De 1932 a 1935,  Saturno em Aquário correspondeu mundialmente à reorganização das sociedades globalmente afectadas pela primeira grande guerra e pelo crash, numa recessão que perdurou até 1939. Na URSS 1932 a 1934 corresponderam à Grande Fome em que morreram 10 milhões de pessoas, uma desgraça provocada politicamente pelo totalitarismo de Stalin. Deste mundo de 1932 resultou uma segunda grande guerra e a divisão do mundo em dois blocos, o capitalista e o comunista, dois modos de gestão das sociedades e do colectivo.

Cerca de 30 anos depois Saturno voltou a Aquário em Janeiro de 1962.  Há uma recessão monetária derivada da subida das taxas de juro americanas a partir do final de 1959. Os EUA,  e a URSS estavam num pico de tensão da Guerra Fria, de novo com um presidente democrático nos EUA, J.F. Kennedy,  a crise dos mísseis de Cuba e a construção do Muro de Berlim. Dá-se  toda uma reorganização política e diplomática global resultante das independências de países africanos descolonizados e a comercialização da pílula tem também um impacto tremendo na organização social. Uma  pandemia  de cólera da estirpe El Tor surge na Ásia na Indonésia passa para o Bangladesh e União Soviética e espalha-se pelo mundo, chegando a Itália anos depois, em  1973, África e América Latina, atingindo 570 mil pessoas até 1991.

Em 1991, de novo com Saturno em Aquário, essa epidemia de cólera chega ao fim, cai o Muro de Berlim, erguido  no ciclo anterior e o mundo de novo reorganiza-se globalmente, politicamente, a braços também com nova recessão com origem nas políticas monetárias restritivas dos bancos centrais em respostas aos riscos inflacionários e à quebra de confiança dos investidores com o choque do petróleo de 1990 depois da invasão do Kuwait pelo Iraque.  O cenário de conflitos internacionais passa em1991 para esta zona do mundo onde até agora persiste com o  Irão aliado da Rússia em conflito com os EUA pelo controlo geo-politico da região. É também nesta altura que surge a World Wide Web, a internet que dá a cada um acesso ao mundo inteiro representado nessa estrutura de informação global.

Em Janeiro deste ano, 2020 os EUA assassinaram o general iraniano  Qasam Suleimani no aeroporto de Bagdad no Iraque, em pleno na conjunção de Saturno a Plutão em Capricórnio. Podia ter sido o inicio de uma nova guerra mas enfrentar o COVID 19 que na mesma altura atingiu massivamente a China para alastrar ao mundo inteiro – sendo o Irão um dos mais afectados- tornou-se a guerra que todos temos de enfrentar, governos e cidadãos, agora que Saturno entrou novamente em Aquário, com restrições globais à circulação. Uma guerra nos preços do petróleo entre a Arábia Saudita e a Rússia trouxe o caos aos mercados financeiros desde 9 de Março a que se junta o pânico e a queda das bolsas dado o impacto económico global de um mundo parado pelo COVID 19.

Há assim temas recorrentes com a passagem de Saturno por Aquário. Recessão,  reorganização política global, epidemias e  desenvolvimentos científicos e tecnológicos – que mudam a vida de cada um e de todos. Claro que tudo isto ocorre também noutros períodos mas é sob Saturno em Aquário que, numa espiral crescente, os impactos têm vindo a ser cada vez mais globalizados levando ao condicionamento geral da nossa vida individual e colectiva.

Neste fim-de-semana em que Saturno entra em Aquário sabemos já as restrições que temos de acatar mas não sabemos ainda durante quanto tempo não podemos viajar, teremos  de manter “distancia social”, fazer quarentena etc. A guerra em curso contra o COVID 19 está longe de estar ganha e evolve do Oriente para o Ocidente. Da previsível recessão global derivarão re-organizações políticas e financeiras estruturais e novas formas de organização e controlo social. Individualmente podemos sentir-nos isolados, reprimidos, ameaçados por forças maiores. Somos também mais responsáveis por nós próprios e pelo mundo/ sociedade em que vivemos. Quanto maior o sentido de responsabilidade individual e consideração  sobre o impacto colectivo a longo prazo das nossas opções pessoais, melhor viveremos este ciclo. Salve-se a world wide web, essa sociedade virtual global onde todos podemos ter lugar e onde ainda podemos ser livres … mas agora também ameaçado por políticas restritivas em vários pontos do mundo…