O arranque de Novembro…

Outubro acabou com um estrondo. Nos Céus uma Lua Cheia em Touro, conjunta a Urano, oposta ao Sol em Escorpião com Marte retrógrado em órbita de quadratura a Júpiter, Plutão e Saturno. Na Terra, atentados terroristas, tremores de terra e tsunami, Covid galopante, restrições sanitárias globais, contestação e violência nas cidades- e morreu o James Bond…

Novembro promete mais desassossego e tem uma agenda claramente pontuada. A primeira chamada de atenção vai para Mercúrio, retrógrado desde meados de Outubro, – estava em Escorpião e regressou a Balança – que esta semana entra directo, no dia 4 e está, toda a semana, em quadratura a Saturno em Capricórnio.

Uma quadratura entre Mercúrio e Saturno é um fortissimo travão ao bom fluir das comunicações e movimento, simboliza bem os confinamentos já em vigor e é com este pano de fundo que dia 3 têm lugar as eleições nos EUA.- mais info nestes links– em que Trump ameaça não reconhecer os votos por correio nem os outros se lhe forem desfavoráveis. Porque Mercúrio entra directo no dia a seguir às eleições americanas, no signo de Balança, pode ser um sinal de que os resultados só serão validados pela via judicial o que ensombra ainda mais as perspectivas de normalidade do processo eleitoral americano e justificaria a nomeação apressada de Amy Barnett para o Supremo Tribunal, num horóscopo de tomada de posse que vai ser tocado em pontos chaves no eclipse de 14 de Dezembro, em pleno na decisão do Colégio Eleitoral e na carta astral de Donald Trump.

Para além da moção directa de Mercúrio esta semana em plena quadratura a Saturno, temos também que encarar a conjunção exacta de Júpiter a Plutão no grau exacta em que Plutão e Saturno se encontraram em Janeiro, no início da pandemia e num tempo de grande tensão entre os EUA e o Irão.

O agravamento da pandemia não só se tem vindo a verificar como, em particular na Europa, há medidas de contenção que passam por confinamentos e outras restrições que não só se enquadram na quadratura de Mercúrio a Saturno como têm um impacto que se traduz na conjunção de Júpiter a Plutão em Capricórnio, tanto uma reorganização profunda da sociedade, por via de regras e da força como um aumento de respostas de violência contra a violência sentida pelas alterações.

Esta primeira semana de Novembro é uma rampa de lançamento de novas medidas de repressão e contestação e também semente das profundas alterações económicas e financeiras estruturais que desde Janeiro parecem ser exigidas pelas conjunções dos planetas em Capricórnio e pela presença de Urano em Touro a forçar a adopção de novos valores que substituam o que dantes era dado como investimento sólido e seguro.

Nesta segunda-feira, a Lua em Gémeos em trígono a Vénus em Balança permite-nos ver os vários ângulos da história mas não facilita tomar decisões, mais ainda porque Marte vai ficar retrógrado até dia 15, quando terminar a conjunção de Júpiter e Plutão.

Querer mudar para melhor, idealizar como regenerar, ir ao fundo e sonhar como sair das trevas, ter esperança que podemos transformar o que está mal, exige, para já, paciência e recuo. O Sol em Escorpião avança para um trígono a Neptuno em Peixes na próxima semana mas o que é idealismo cor-de-rosa para uns pode ser uma cruzada religiosa para outros. O confinamento também nos pode proteger de muita violência por aí à solta…

One thought on “O arranque de Novembro…

Add yours

Deixe uma Resposta para Olinda de Sousa Pereira Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: